O que é Software? Conheça Todos os Principais Detalhes e Entenda como Funciona

Se você tem dúvidas sobre o que é software, saiba que ele é o responsável por fornecer as instruções para um mecanismo funcionar. 

De maneira bastante prática, é o famoso programa de computador.

No entanto, o conceito de software vai muito além. Ele também está presente nos celulares e em outros dispositivos. 

Afinal, além dos programas, também estão incluídos scripts, aplicativos, instruções de código embarcado diretamente (firmware), sistemas operacionais (SO) e macros.

Existem muitos outros motivos para entender mais sobre esse assunto. Por isso, criamos este post com as principais informações. Que tal saber mais?

Para que serve um software?

Mais do que saber o que é software, é preciso entender que ele dá vida ao dispositivo. Um tablet, um computador ou um celular sem esse sistema se torna um lixo eletrônico.

Achou exagero? Basta ver alguns exemplos para entender que não. Por exemplo, as atualizações do WhatsApp são novidades acrescidas ao software que sustenta o aplicativo. 

Aquele joguinho de celular em que você passa algumas horas do dia também é. Da mesma forma, o navegador que você utiliza para navegar na internet.

Em outras palavras, tudo que você faz em um dispositivo eletrônico é viabilizado por um software

Inclusive, a possibilidade de acessar o aparelho, já que seu sistema operacional — iOS, Android, Windows, Linux ou macOS — também é um software.

Essa explicação já deixa claro para que serve o software. Com ele, é possível otimizar o tempo de uso dos dispositivos, além de ter mais facilidade no manuseio

O que é software livre?

O software livre é aquele programa que pode ser reproduzido, copiado, distribuído, modificado e executado sem necessidade de autorização

Ou seja, o usuário pode fazer o que quiser, sem correr risco de acusação de pirataria ou infração aos direitos do desenvolvedor.

Para realizar essas mudanças, o software livre oferece acesso ao código-fonte. Assim, é possível fazer as mudanças de acordo com a necessidade do usuário de forma gratuita.

Apesar de ser um conceito semelhante ao do open source, o software livre está mais relacionado à ética. Além disso, os usuários cooperam entre si e com os desenvolvedores.

História do software livre e seus níveis

Esse modelo foi criado pela Free Software Foundation (FSF), uma organização sem fins lucrativos. 

Ela foi fundada por Richard Stallman, que idealizou o sistema operacional tipo Unix (GNU). Segundo ele, os softwares proprietários — ou seja, pagos — são restritivos, injustos e até discriminatórios.

Para evitar esse cenário, é possível entender o que é software livre a partir de quatro níveis de liberdade. Elas determinam o que é possível fazer com o programa. Veja quais são:

  • liberdade 0: a execução do sistema é válida qualquer que seja sua finalidade;
  • liberdade 1: o usuário pode entender e estudar o software e fazer sua adaptação. É preciso ter acesso ao código-fonte;
  • liberdade 2: permite redistribuir cópias para ajudar mais usuários;
  • liberdade 3: possibilita a distribuição de cópias alteradas para que qualquer pessoa tenha acesso a uma versão aprimorada do sistema.

Um exemplo de software livre é o sistema operacional Linux. Ele foi desenvolvido a partir das ferramentas do GNU e é um dos SOs mais conhecidos. 

Dele vieram diferentes variações, como o Endless OS.

Quais são os tipos de software?

Além de saber o que é software, é preciso conhecer os diferentes tipos existentes. 

Apesar de terem o mesmo objetivo de fornecer comandos, cada um deles tem suas características. Vamos ver as possibilidades. 

Software de programação

É um sistema utilizado na criação de outros sistemas e programas, que realizam funções mais genéricas.

 Para fazer esse desenvolvimento, são utilizadas diferentes linguagens de programação, como Java, C, Swift etc.

Alguns exemplos de software de programação são:

  • Notepad++;
  • Eclipse;
  • Coda;
  • Sublime Text.

Software de aplicação

É um programa ou aplicativo voltado para a execução de diferentes atividades. Os mais comuns são:

  • navegador de internet;
  • editor de texto;
  • mensageiros, como o WhatsApp;
  • player de vídeo ou de música;
  • calculadora;
  • app de redes sociais;
  • Jogos, como Xcloud.

Os softwares de aplicação são alguns dos programas mais utilizados. Contudo, os malwares (mais comumente chamados de vírus) também fazem parte dessa classificação. Nesse caso, o objetivo é o roubo de dados.

Software de sistema

Faz a comunicação entre os programas instalados e a máquina. O principal exemplo são os sistemas operacionais. 

Eles garantem o envio do comando ao computador. Assim, o usuário consegue realizar as atividades necessárias com facilidade. Alguns exemplos de SOs são:

  • Windows;
  • macOS;
  • Linux;
  • Android;
  • iOS.

Porém, essa categoria também inclui os programas utilitários. Eles têm menor porte e executam funções específicas. Por exemplo, backups.

Software de drivers

Tem o objetivo de controlar e operar periféricos e componentes da máquina para que todos funcionem de forma adequada. Alguns exemplos são os softwares de drivers para:

  • teclado;
  • mouse;
  • impressora;
  • placas de rede, som e vídeo;
  • webcam.

Software de gestão

É um sistema criado especificamente para facilitar a gestão de empresas

Geralmente, ele integra os dados de vários setores para simplificar o controle de todos os departamentos, facilitando atividades como a contabilidade para microempresa, por exemplo. Nesse caso, abrange, entre outras áreas:

  • financeiro;
  • vendas;
  • contabilidade;
  • estoque;
  • compras.

No entanto, esse software também pode focar em aspectos específicos, como o financeiro, a gestão de projetos, relacionamento com o cliente, recursos empresariais e mais.

Um dos maiores softwares de gestão é o SAP. Além dele, existem outros, como Conta Azul, QuickBooks, Nibo, Trello, Agendor etc.

Quais são as diferenças entre software e hardware?

Para entender o que é software, é preciso diferenciá-lo do hardware. Na verdade, todo dispositivo é formado por essas duas partes. Contudo, elas são bastante diferentes.

O hardware é a parte física do dispositivo. Ou seja, sua carcaça. 

Ele é composto por todas as partes visíveis do computador, celular, tablet etc. Por isso, inclui peças internas, mouse, gabinete, teclado e mouse.

Por sua vez, o software é o conjunto de aplicativos e programas que funcionam a partir do hardware. Portanto, dentro de um mesmo hardware, existem vários sistemas que permitem seu funcionamento.

Se formos fazer uma comparação, o hardware seria o nosso corpo, enquanto o software são os órgãos. Sem o funcionamento dos órgãos, não há vida. A mesma coisa acontece com os equipamentos.

Por esse motivo, hardware e software trabalham de forma conjunta. Além disso, é com base nessas duas partes que o desenvolvimento tecnológico acontece.

Como fazer a atualização de software?

A maneira mais fácil de fazer a atualização de um software é a seguinte:

  1. Acesse o site do desenvolvedor do software ou a loja de aplicativos do seu celular.
  2. Clique duas vezes sobre o programa a ser atualizado ou pressione o botão “Atualizar”, também chamado de “Update”.
  3. Aguarde o processo finalizar.

No entanto, o processo de atualização de cada software é diferente. Existem várias maneiras de fazer isso. 

Por exemplo, baixando um instalador, fazendo a mudança direto no código etc. No entanto, essas opções são mais utilizadas por quem entende um pouco de tecnologia.

Como fazer um teste de software?

O teste de software é uma etapa no desenvolvimento do programa. Ele é realizado pelos desenvolvedores ou por profissionais conhecidos como QA (Quality Assurance).

O objetivo desse procedimento é encontrar erros (bugs) e fazer as correções necessárias para evitar imprevistos aos usuários. Assim, instabilidades e dificuldades de acesso são reduzidas.

A prática também é importante para ter certeza de que as funcionalidades funcionam conforme o esperado e atendem às necessidades dos usuários. Por isso, o teste sempre é feito antes do lançamento do software no mercado.

Para realizá-lo, é preciso escolher um dos tipos de testes existentes. Eles podem servir para:

  • avaliar a opinião do usuário;
  • pesquisar unidades em conjunto;
  • analisar uma unidade do sistema;
  • verificar o funcionamento após uma atualização;
  • experimentar o software em condições de uso;
  • simular a experiência dos usuários.

Entre os fatores analisados nos testes de software estão:

  • funcionalidade;
  • confiabilidade;
  • usabilidade;
  • eficiência;
  • manutenibilidade, ou seja, é possível corrigir problemas depois de alterações;
  • portabilidade, para saber se ele funciona de maneira adequada em outros ambientes.

Sistemas para fazer teste de software

Agora você deve estar se perguntando: como fazer esse teste? Além de saber o que é software, é preciso contar com ferramentas adequadas

Elas automatizam o processo e facilitam a análise. Alguns exemplos são:

  • Selenium;
  • Robotium;
  • Telerik Test Studio.

Como usuário, você também pode fazer testes com essas ferramentas ou mesmo utilizar o software e notificar o desenvolvedor, se encontrar algum problema. Assim, o bug é verificado e pode ser corrigido.

Agora você já sabe o que é software, certo? Perceba que muitos deles dependem de internet banda larga para funcionar.

E você, sabe como está a velocidade da sua internet? Verifique o resultado fazendo o teste do Minha Conexão!

Posts Relacionados

O que é neutralidade da rede?

Autor: minhaconexao | 14 de maio de 2019
Também conhecido como neutralidade da internet, a neutralidade da rede, de uma forma muito simples e direta, basicamente é a garantia de que todos tenham…