Garantindo maior privacidade na internet

Uma das maiores preocupações de qualquer usuário é a segurança de seus dados na internet. A ISOC – Internet Society, que é uma organização sem fins lucrativos, montou um guia bastante simples para ajudar a avaliar os riscos relacionados com sistemas e dispositivos conectados.

São 8 práticas simples que ajudam a melhora a privacidade online:

1.    Comprar dispositivos conectados com inteligência

Na hora de comprar dispositivos é preciso optar por aqueles que respeitam a privacidade, oferecendo maior segurança.

2.    Sempre atualizar dispositivos e aplicativos

Se o dispositivo ou aplicativo não tiver função de atualização automática, é preciso ativa-la. A ativação demora poucos segundos e garante maior privacidade na internet.

3.    Ativar a criptografia

Em dispositivos ou serviços que estão equipados com o recurso da criptografia, é necessário ativa-los para que façam atualizações automáticas.

4.    Revisar permissões definidas em dispositivos móveis

Existem dispositivos móveis que possuem permissões definidas que, normalmente, não devem ser usadas, como, por exemplo, com relação ao local onde o usuário está. Essas permissões devem ser desativadas para que os aplicativos não coletem muitas informações sobre o usuário.

5.    Verificar parâmetros de privacidade em lojas e redes sociais

O usuário não deve permitir o compartilhamento de informações de contas em redes sociais e lojas online além do necessário. É preciso verificar suas configurações de privacidade para definir quem tem acesso ao que o usuário publica, evitando ainda vincular contas de redes sociais com outros serviços.

6.    Aumentar as proteções de privacidade no navegador principal

Os complementos do navegador principal devem ser protegidos para melhorar a privacidade. Existem extensões ou complementos de navegador que podem deixar sua privacidade aberta enquanto está navegando.

Como bons exemplos de proteção, temos o complemento HTTP Everywhere, que garante o uso de criptografia SSL em todas as páginas visitadas, enquanto que o Ghostery e o Privacy Badger bloqueiam cookies de rastreamento utilizados pelas empresas para rastrear os hábitos de navegação.

7.    Não reutilizar senhas

Muitas vezes é impossível lembrar todas as diferentes senhas usadas na internet, levando o usuário a reutilizar uma senha para diversos serviços ou dispositivos. Muito embora a reutilização de senha seja um facilitador, no caso de roubo ou pirataria, também irá permitir que um hacker tenha acesso a todos os dispositivos e serviços.

Para o usuário, é melhor ter um gerenciador de senha seguro, aprendendo com utiliza-lo, ou mesmo escrevendo as senhas em um caderno com segurança armazenado.

8.    Ativar a autenticação de dois fatores para aplicativos e serviços

A autenticação de dois fatores, ou 2FA, indica que, se alguém conhece apenas o nome de usuário e senha de um usuário, não estará apto para se conectar com sua conta. Essa condição é importante, porque as empresas têm perdido seus bancos de dados com senhas de usuários. O site Two Factor Auth ensina a configurar a função em cada página da internet, tanto bancária como de redes sociais.

Além dessas medidas para garantir maior privacidade, não se esqueça de verificar constantemente a velocidade de sua internet, tendo a certeza de que seu provedor está cumprindo com o contrato.

Posts Relacionados