Antigamente, todos os downloads eram feitos através de dois protocolos: HTTP e FTP. Tais downloads eram feitos através do próprio navegador, que se conectava ao servidor de origem do arquivo e solicitava a permissão para baixar uma cópia dele.

Porém, conforme o tempo foi passando, essa deixou de ser a solução ideal para todos os usuários, já que não era possível enviar arquivos pessoais, como filmes, músicas, jogos e demais arquivos, para outras pessoas. Mesmo assim, esse tipo de download existe até os dias de hoje.

Outro problema comum nos downloads convencionais é a baixa velocidade de download, que muitas vezes não chega à capacidade máxima de sua conexão, como a indicada em um teste de velocidade. Isso ocorre por que, geralmente, o arquivo está em um servidor que acaba sobrecarregado com tantos downloads simultâneos.

Foi para acabar com esse problema de uma vez por todas, oferecendo a flexibilidade que os usuários desejavam, que foi desenvolvida uma nova forma de trocar arquivos: as redes P2P (peer-to-peer).

 

Como funcionam as redes P2P?

Essas redes foram um sucesso no começo da década passada, com programas como Kazaa, Shareaza, eMule e Ares. Dificilmente alguém que gostava de músicas e filmes não tinha um desses programas instalados no computador.

O funcionamento desses programas para downloads de arquivos era diferente do que se via nos protocolos HTTP e FTP, pois os computadores de cada usuário atuava também como um servidor. Então, a troca de arquivos se tornou muita mais fácil.

Porém, mesmo assim, não era possível ter uma estabilidade muito grande: caso a internet da pessoa que estava “cedendo” o arquivo caísse ou apresentasse algum problema, o download do usuário era interrompido. Isso fazia com que vários downloads não pudessem ser concluídos.

Então, chegou uma nova evolução: o protocolo P2P deu lugar a um protocolo mais moderno, eficiente e prático, chamado de BitTorrent, que são os tão falados torrents.

 

Como Funcionam os Torrents?

A similaridade desse protocolo com o P2P é bastante grande, e seu funcionamento também. Porém, para que tudo pudesse ficar mais organizado e também mais prático, foram feitas algumas mudanças importantes.

Primeiramente, passaram a ser utilizados servidores, conhecidos como trackers, para o armazenamento dos arquivos. Esses trackers são recheados de informações para que o envio e o recebimento  dos dados ocorran com muito mais velocidade.

O sistema de torrent também tem uma característica meritocrática: aqueles que compartilham mais arquivos também tem direito de baixar mais arquivos. Logo, quanto melhor for o comportamento de um usuário de torrent, mais vantagens ele poderá desfrutar.

Para iniciar o download de algum arquivo, primeiramente é necessário ter um programa que faça o download de arquivos a partir dos torrents. Existem vários que podem ser encontrados na internet, mas o uTorrent é um dos mais famosos. Era também necessário encontrar, em algum site, um arquivo semente, com a extensão .torrent, que continha as informações do arquivo a ser baixado.

No entanto, para evitar processos por pirataria, os arquivos .torrent estão, cada dia mais, dando espaço para os “Magnet Links”, que é uma nova tecnologia que elimina a necessidade de um tracker (servidores cujos proprietários podiam ser processados por pirataria)

Bom após encontrar seu arquivo semente, do tipo .torrent ou magnet link basta clicar sobre o mesmo. O programa de torrent já exibirá todas as informações sobre o arquivo desejado, cabendo ao usuário autorizar o download ou não.

Depois de fazer um teste rápido no servidor, o programa de torrent verificará todos os computadores que possuem o arquivo que o usuário deseja baixar, seja ele parcial (peer) ou completo (seed). Quanto mais seeds e peers um arquivo tiver, mais rápido poderá ser feito o download.

Assim que o usuário baixa uma parte considerável do arquivo, ele passa a ser um peer, enviando dados para ajudar outros que também estão baixando aquele mesmo arquivo. Quando o download está finalizado, o usuário se transforma em um seed, ou seja, mais uma fonte completa para quem deseja baixar o arquivo.

As principais vantagens dos torrents é o fato de que é possível baixar a velocidades muito altas, com poucas instabilidades. Além disso, a forma cooperativa com a qual a rede funciona faz com que os usuários se conscientizem de sua importância como colaborador.

Não há grandes desvantagens, a não ser que existe a possibilidade de que o arquivo seja um vírus ou um arquivo falso. Porém, nos downloads da internet convencional também não estão livres de virus, portanto, é sempre importante tomar cuidado usando um bom antivirus.

Uma outra desvantagem é que, ao se transformar em um seed, você estará gastando parte de sua banda de internet para ajudar os outros usuários da rede. Isto é importante para que o sistema funcione para todos, mas você precisa tomar cuidado para não estourar seu limite mensal de dados (sim, algumas internets fixas também têm limites na franquia de dados)

 

Um teste de velocidade pode ajudar a ter certeza dos downloads?

Muitas vezes, o usuário tem uma velocidade de internet contratada junto à provedora, mas acaba não sendoa velocidade que chega até sua casa. Isso é bastante prejudicial, tanto na parte dos downloads quanto dos uploads, já que o torrent demanda ambas conexões.

Para ter certeza sobre a velocidade que está recebendo, o ideal é fazer sempre um teste de velocidade. Se esta for menor do que o combinado, cabe fazer uma reclamação junto a empresa.

Mas lembre-se de desligar seus downloads, e seus torrentes, antes de fazer o teste de velocidade.

O blog da MinhaConexão conta com vários artigos para te ajudar a entender melhor a sua internet e as novas tecnologias desse ramo. O MinhaConexão também conta com uma ferramenta para teste de velocidade, que funciona da mesma forma que um speed test, para que o usuário saiba a real velocidade da sua conexão de internet.